Arquivo de Junho, 2009

Vídeo da Tv Galicia

Posted: 30 de Junho de 2009 by Ricardo Gouveia in Uncategorized

Parece que o link que coloquei anteriormente não funciona… cá está o vídeo! Têm que ir à secção “PORTUGAL” e depois escolher a pág.2!

Mais um livro recomendado pelo Ixy

Posted: 30 de Junho de 2009 by Ricardo Gouveia in Uncategorized

Um livro de perguntas e respostas sobre a homossexualidade: “Será uma opção? Tudo o que sempre quis saber sobre a homossexualidade” de Eric Marcus

Reportagem sobre a homossexualidade na PSP (DN, 27/6/2009)

Posted: 27 de Junho de 2009 by Ricardo Gouveia in Uncategorized

Mais um excelente trabalho do Nuno Miguel Ropio sobre a questão da defesa dos direitos LGBT na PSP. A notícia pode também ser lida na revista NS do Jornal de Notícias de hoje.

Capa NS

1

2

20

“Igreja exorciza jovem homossexual” (JN, 25/6/2009)

Posted: 25 de Junho de 2009 by Ricardo Gouveia in Uncategorized

… sem comentários!!

O livro da semana

Posted: 25 de Junho de 2009 by Ricardo Gouveia in Uncategorized

Caros leitores,

Hoje iniciamos uma nova rubrica no nosso blogue: o livro da semana! A nossa primeira recomendação vai para um livro fundamental para quem se interessa pela área da Sociologia do Género e, mais concretamente, pelos “Men’ s Studies”.

Connell, R. W. (1995), Masculinities, Cambridge, Polity Press.

Abstract

Here is a powerful reply to Iron John, a fresh look at the complicated nature of what R.W. Connell calls “masculinities.” One of the most important voices in the new feminist scholarship by men, Connell provides a nuanced and incisive analysis of how our notions of masculinity have evolved in psychoanalysis, social science, and historically in the creation of a global economy. There is not one but many masculinities, he claims, in a bold critique of the “men’s movement” and other simplistic approaches to sexual identity. Instead, Connell delineates the complicated dynamics of masculine politics and recent changes in male identity.
Drawing on rich ethnographic work, Connell offers portraits of dozens of men of different classes, some working to change masculinities, some resisting change. Eel openly disparages his wife: “The first chance I can see to get rid of her, she’s gone.” Mark, who calls himself “a very straight gay,” thinks men should behave in traditionally masculine ways. “If you’re a guy why don’t you just act like a guy?” he asks. Danny, undertaking the “long haul” of his own sexism, admits, “It’s hard not to be aggressive sometimes.”
Connell offers the first critical history of ideas and the most sophisticated theoretical analysis of masculinity to date. His attempts to understand changes in male identity and to think about these issues on a global scale are unique. Integrating social science, feminist theory, gay theory, and psychoanalysis in an innovative yet unusually accessible way, he develops a new theory of masculinity politics. This is a book for everyone interested in the history of western masculinities and the sexual politics of the contemporary era.

masculinities

Podem ver a reportagem aqui.

Publicamos de seguida um texto da recém criada AMPLOS (Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual). O Grupo de Trabalho IXY saúda a vossa iniciativa e deseja-vos muito sucesso nesta luta que é de todos!

“AMPLOS – Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual

“BRING-OUT”

Quem somos:

Somos um grupo de pais que se propõe lutar por uma sociedade mais justa, opondo-nos a todas as formas de discriminação. Pela forma como nos toca enquanto pais, concentrar-nos-emos preferencialmente no combate às formas de discriminação relacionadas com a orientação sexual.

O que sabemos e sentimos:

Sentimos que muito falta fazer para que os homossexuais sejam aceites, possam assumir abertamente a sua identidade, exprimir os seus afectos, casar, ter igualdade de tratamento jurídico; em suma serem pessoas de pleno direito, serem cidadãos de plena cidadania.

Sabemos que a aceitação da sua orientação pelos pais é um dos momentos mais marcantes, e fundamentais, na sua própria aceitação como pessoas. É um momento intenso para ambos. Na maioria das vezes sofrido, por ambos.

Sabemos que muitos pais reagem de forma brutal a essa situação pelas expectativas que criaram em relação aos filhos, pelos preconceitos que circulam, e abundam, na sociedade, pela falta de informação resultante dos tabus que se têm perpetuado em torno da discussão aberta do tema.

Sabemos que para os pais é difícil falar d@ seu filh@ homossexual; falar das suas relações amorosas, dos seus projectos de vida.

Sabemos como são forçados a usar diferentes “histórias” para os seus diferentes filhos e quão dura lhes é essa discriminação. Fazem-no pelas reacções que essa abertura provoca nos outros; fazem-no pelo respeito que os filhos merecem, deixando-os decidir quando e a quem o fazer, dando por vezes um empurrãozinho, na abertura da porta desse tal “armário”. Toda esta situação exige dos pais uma atenção especial, difícil, paciente, cuidadosa.

Também sabemos que os pais estão muito sozinhos, nem sempre sabem como agir da melhor forma. Andam eles próprios a aprender a ser pais, a como sair do seu “armário” de pais reprimindo o desejo de escancarar a porta toda, e celebrar todo o amor que sentem por esses filhos.

O que queremos:

Queremos ser um grupo de pais que se oiçam, esclareçam, acompanhem.

Queremos ser um grupo de apoio a jovens homossexuais que tenham dificuldade na sua relação com os pais.

Queremos constituir um grupo de acção cívica ao lado dos nossos filhos e de todas as organizações que defendem os seus direitos.

Como pensamos fazê-lo:

Procuraremos locais e momentos de encontro periódico, à medida da dimensão e situações que forem surgindo. Destes contactos se seguirão outras formas de acção dependendo das ideias que nascerem no interior do próprio grupo.

Procuraremos marcar de alguma forma presença em todas as formas de encontro que digam respeito a esta causa.

Contacte-nos através de: amplos.bo@gmail.com”